segunda-feira, 22 de dezembro de 2008

Eu Tenho Esperança!


Não sou utópico. Não tenho ilusões sobre o caráter do mundo e das pessoas, nem tento me convencer de que as coisas não estão tão ruins. Pois as coisas estão mesmo muito ruins. Não sou um otimista irracional, seja do tipo triunfalista-religioso, seja do tipo progressista-secular. Não penso que as coisas darão certo se mantivermos o pensamento positivo, ou se dermos educação ao povo, nem tenho certeza de que as coisas sempre darão certo para mim no futuro.

Mas também não sou cínico. Nem por isso sou cínico. Não posso me defender da decepção reprimindo os meus sonhos! Não quero manter na boca o gosto amargo das frustrações do passado. Não me rio da alegria inocente de quem sofreu pouco, nem desconfio da alegria serena de quem sofreu muito. Não posso permitir que o mal que me cerca cegue as minhas vistas ao bem sobre o qual estou de pé...

Então, o que sou?

Sou cristão. Não sou utópico nem cínico, porque através da nuvem de maldade, feiúra e falsidade - que está aí, não nego - eu vejo a luz da bondade, da beleza e da verdade! Porque quando aspiro a fumaça deste ar impuro eu sinto o oxigênio, e o respiro; porque no fundo da realidade inteira, na sua fonte oculta e profundíssima o que habita é a alegria absoluta, o amor original, e a imortalidade de tudo o que é digno, santo e valioso neste mundo!

Por isso creio na Igreja, como diz o Credo Apostólico. Eu creio na Santa Igreja Universal porque através desse frágil vitral trincado brilha uma luz divina. Sei que ele está rachado, mas sei mais ainda que uma luz o atravessa e vai parar colorida sobre o meu corpo. Eu tenho esperança na Igreja porque pedras quebram vidraças, mas não apagam o Sol da Justiça. Então não lançarei pedras, nem fecharei meus olhos, nem fugirei para o escuro; consertarei vidraças e farei vitrais!

Eu creio na Igreja porque a Igreja é a nação da esperança; porque ela aprendeu a ver o fundo do universo, descobriu a fonte da luz, sentiu o oxigênio em seus pulmões. A Igreja deixa a alegria entrar sem prender a respiração, como os cínicos medrosos, com seu bem-informado pessimismo cosmológico. E assim, saciando-se de alegria como de uma fonte invisível, a igreja dá esperança!

A Esperança é um dom divino. Ela não confunde, "porque o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi outorgado". A Esperança não sabe se ainda vai chorar muito ou pouco, mas sabe que um dia saltará de alegria. Porque no Espírito, ela já vive esse dia.

Eu creio na Igreja porque tenho Esperança.
E a esperança não será frustrada...
porque é a obra do Espírito Santo!

5 comentários:

danieldliver disse...

Guilherme, você conhece a obra de Dallas Willard?

Guilherme de Carvalho disse...

Olá Daniel!

Olha, na verdade pouco. Ouvi parte uma palestra ele sobre a natureza da verdade, e li "A Conspiração Divina" há uns três ou quatro anos.
Mas qual foi a razão da pergunta? :-D

Obs: vi que vc incluiu o convite do termo de verão no "Igreja Emergente". Valeu!

abr!

Igor Miguel disse...

Penso que a Igreja tem uma função (dentro outras) muito importante, a de ser incubadora de sujeitos plenos que vão imprimir no mundo a redenção. Sabemos que D'us em sua natureza transcedente, não abandonou sua criação e sua assinatura e identidade estão impressos nela, sem dúvida, dentre os elementos criados, o homem é o que melhor reflete sua natureza. Por isso, a esperança é: 'Que Ele faça resplandecer o Seu rosto sobre nós e que possamos refletir o seu rosto sobre outros'.

Guilherme de Carvalho disse...

Grande Igor!

De fato. Como Paulo disse: "Cristo em vós, a esperança da glória". Glorificação em Paulo é exatamente a resplandecer da imagem divina em nós.

Onesimo Mesquita disse...

Parabens! Grande comentario!
Quero dizer que era isso que eu estava precisando ouvir de um bom neocalvinista como vc.
Compartilho da mesma esperança pois essa esperança nunca ira esmoreçer.Pois sabemos que a luz da aurora ainda vai raiar e então será o dia perfeito.

Abraço,
Feliz ano novo!

Onésimo Mesquita.