quarta-feira, 9 de julho de 2008

André Petry e Tony Belloto sobre a Fé dos Homofóbicos: VEJA e COMPREENDA

Na quarta feira 25/06, evangélicos promoveram uma manifestação contra o projeto de lei contra a homofobia. Alguns tentaram "invadir" o senado para apresentar suas reivindicações pessoalmente.

Duas reações me chamaram a atenção - a coluna de André Petry, na Veja, e a sua versão inferior, no dia 02/07, por Tony Belloto. O primeiro compara a resistência evangélica ao projeto de lei com a resistência às leis contra o racismo, e afirma que tal atitude seria "tão reacionária" quanto uma Ku-Klux-Klan defender um "direito" ao preconceito. E argumenta que haveria um erro de interpretação dos evangélicos, quando estes entendem que a lei seria uma limitação à sua liberdade. Diz Petry:

Alegam que a liberdade religiosa fica limitada porque combater o pecado vira crime. É um duplo equívoco. O primeiro é achar que uma doutrina de crença em forças sobrenaturais autoriza o fiel a discriminar o herege. O segundo é atribuir à lei valor moral. O direito penal não é instrumento para infundir virtudes. É um meio para garantir o convívio minimamente pacífico em sociedade. Matar é crime não porque seja imoral, mas porque a sociedade entendeu que a vida deve ser preservada. Dúvidas? Recorram ao Supremo Tribunal Federal. Na democracia, é assim. Lei não é bíblia de moralidade.

Daí Tony Belloto se entusiasmou e não apenas postou uma foto da Ku-Klux-Klan, mas afirmou que "A Ku-Klux-Klan faria boa companhia aos cristãos homofóbicos de Brasília." Descreveu a oposição evangélica como "Jihad Particular". E indicou o filme "Missisipi em Chamas", para temperar mais a discussão.

O texto do Petry tem um pouco mais de conteúdo que o do Belloto, que se contenta em lançar uma bomba de efeito moral. De modo que vou comentá-lo primeiro.

André Petry

Em sua opinião, a posição evangélica seria uma "discriminação do herege", e seu fundamento último seria a "crença em forças sobrenaturais". Bem, não é preciso dizer que isso constitui uma bobagem sem tamanho. O fundamento da oposição cristã ao homossexualismo é uma determinada antropologia, não a crença em forças sobrenaturais. Mesmo quando estas são trazidas à frente, como justificativa, no fundo o ponto em questão é a natureza humana e o lugar da sexualidade na vida humana.

Mas é claro que há outras razões para os evangélicos atribuirem a Lei à "obra do demônio". Outras muitas razões, todas bem terrenas, sociológicas e até políticas. A resistência tem a ver com a perceção de transformações profundas e estruturais nas relações humanas, no ocidente e no próprio Brasil. Entender o que está acontecendo é ler esses temores e motivações mais profundas, sociológicas, religiosas e culturais, abaixo do discurso feito ao microfone.

Petry errou pra mais de metro, portanto, em sua interpretação do que está acontecendo. Faltou hermenêutica; faltou antropologia. Estaria tudo bem, não fosse o nosso mau antropólogo um colunista da Veja.

Ao mesmo tempo, Petry mostrou um evidente preconceito contra a religião em sua fala. O que ele quer dizer? Que descrença em realidades sobrenaturais, e uma visão naturalista de mundo, dão a ele o direito de discriminar "hereges anti-modernos", como os evangélicos? Que por terem tais crenças esquisitas eles estão excluídos de discussões e manifestações na arena pública?

A definição de religião de Petry, ao menos aquela implícita em suas observações, é um pouco pobre, para dizer o mínimo.

Preciso comentar ainda as idéias de Petry sobre moralidade e direito. Veja só o que ele diz:

O segundo [erro] é atribuir à lei valor moral. O direito penal não é instrumento para infundir virtudes. É um meio para garantir o convívio minimamente pacífico em sociedade. Matar é crime não porque seja imoral, mas porque a sociedade entendeu que a vida deve ser preservada. Dúvidas? Recorram ao Supremo Tribunal Federal. Na democracia, é assim. Lei não é bíblia de moralidade.

Ora, ora... ;-D

Em primeiro lugar, este é o caminho da ruína cultural. É uma meia-verdade que a lei não é instrumento para infundir virtudes. Matar é crime porque a sociedade entendeu que devemos preservar a vida. Mas eu pergunto: porque a sociedade entendeu isso? Não é porque ela entendeu que matar é moralmente incorreto? Afinal, em muitas sociedades se mata. Deveríamos recomendar outra coisa, se aquela sociedade não entendeu que a vida deve ser preservada? E se a sociedade entender que os evangélicos deveriam ser enjaulados? Pior: e se ela entender que os homossexuais deveriam ser mortos?

Petry nos presenteia com uma completa ficção, quando diz que foi a lei que proibiu o assassinato. Isso jamais aconteceu. De onde será que ele tirou isso? De algum manual empoeirado de positivismo jurídico?

Muito pelo contrário, a sensibilidade moral das pessoas é que as obriga a fazer a maior parte das leis. A lei não infunde moralidade; é infundida por ela.

Consideremos, por exemplo, a lei da homofobia. Tanto o legislador, como a mídia, os movimentos homossexualistas, e o próprio senhor Petry apelam para a nossa sensibilidade moral ao justificar o projeto de lei. Veja o que o Sr. Petry diz:

"Outra coisa é humilhar os gays, apontá-los como filhos do demônio, doentes ou tarados."

"O que essa proposta pretende dar aos gays, e sabe-se lá se terá alguma eficácia, é aquilo a que todo ser humano tem direito: respeito à sua integridade física e moral."

"Os seres humanos diferem das coisas porque, além de tudo, têm dignidade."

Ora, não disse o Sr. Petry que a lei não é bíblia de moralidade? Porque então ele deseja nos entulhar com esses elevados ideais de moralidade - não humilhar, respeitar, reconhecer a sua dignidade - para defender a lei da homofobia? Pode-se desenvolver uma legislação não-moral para defendê-los, mas o seu fundamento não será mais jurídico. Será moral.

Puxa, ver uma contradição tão gritante, sobre um tema tão sério, num texto tão curto, de uma revista tão influente, dá vontade de chorar. Uma coisa horrorosa mesmo.

A propósito, se a sociedade não quiser aprovar a lei da homofobia (não nos esqueçamos de que boa parte dos brasileiros aceita a moral cristã), a resistência ao comportamento homossexual não será crime. Mas dentro do raciocínio do Sr. Petry, ela ainda será imoral, injusta, inumana, etc. Ora, deveríamos por isso condená-la? Deveria a lei brasileira seguir a bíblia do Sr. Petry?

Talvez o Sr. Petry não o saiba, mas não é possível dar conteúdo a um sistema de leis, sem apresentar pressuposições antropológicas e, enfim, morais. E sabe de uma coisa? Eu concordo com ele: precisamos defender a dignidade dos homossexuais. Por razões morais. Meu senso moral me diz que precisamos respeitar a dignidade dos homossexuais. Isso me estimula até mesmo a pensar que algumas leis a respeito fariam um grande bem.

Mas o problema com a lei da homofobia é que ela protege alguns princípios morais à custa do estupro de outros. Nós, evangélicos, estamos justificados em rejeitá-la incondicionalmente. Ela está carregada de valores morais que não aceitamos, e pessoas desinformadas a respeito como o Sr. Petry querem nos fazer acreditar que nós é que queremos impôr uma moralidade aos outros.

Essas pessoas querem usar a moral para justificar a aprovação de uma lei, mas ao mesmo tempo querem separar lei de moralidade, para silenciar toda a oposição moral a essa lei. Meu Deus. É uma contradição tão grosseira que, nas palavras de Petry, "é difícil crer que seja de boa-fé".

Tudo isso é uma grande hipocrisia. A lei não é bíblia de moralidade, mas as pessoas que fazem a lei sempre trazem as suas próprias bíblias. Pessoalmente, eu dispenso a bíblia moderna do Sr. Petry.

Tony Belloto

E quanto aos comentários de Tony Belloto? Como poderiam ser mais preconceituosos em relação aos evangélicos? Que absurda comparação foi aquela, com a Ku-Klux-Klan, estimulando entre os leitores o medo e o ódio aos evangélicos por associação? Sugerindo que a atitude dos evangélicos contra o comportamento homossexual seria comparável à atitude dos racistas que queriam "fazer piadas" "queimar as casas", "açoitar as costas" e "tirar as vidas" dos negros?

A comparação é descabida. A KKK jamais fez qualquer coisa que prestasse. No seu currículo consta apenas a violência. Já os evangélicos brasileiros não tem qualquer histórico de violência ou perseguição ativa de minorias. Nem mesmo dos homossexuais.

O que o Sr. Belloto faz além de ganhar dinheiro do alto de sua coluna na VEJA? Será que ele tem idéia do que fazem todas as semanas milhares de pastores e missionários evangélicos, sem falar dos religiosos católicos, cuidando de pessoas sofridas, pobres, viciadas e escravizadas pelo crime nas favelas deste país? Sua crítica não reflete um patente preconceito?

Um típico moderno ingrato, que celebra as suas liberdades individuais e os avanços da modernidade, sem tomar conhecimento da importância do cristianismo para que tal mundo viesse à existência.

Provavelmente o Sr. Belloto ignora que a abolição da escravatura só começou no mundo pelo trabalho de um evangélico, o inglês William Wilberforce (também tenho um filme na manga: "Jornada para a Liberdade" - Amazing Grace, em inglês). E que vários dos grandes defensores da abolição na América eram evangélicos. E que os protestantes no Brasil eram abolicionistas. E que muitos evangélicos lutaram pelos direitos civis na América.

Será que ele sabe que o movimento pentecostal, que domina o movimento evangélico brasileiro, começou entre negros americanos e foi instrumento de emancipação para eles e para muitas mulheres? Será que ele sabe que a maior parte dos negros brasileiros é pentecostal? E que as Assembléias de Deus tem o maior contingente de ministros religiosos negros do Brasil?

Ele não sabe. Se soubesse não faria essa torpe, indecente e ridícula comparação dos evangélicos de Brasília com a Ku-Klux-Klan. Ele teria vergonha (espero).

Raça não é comportamento. Não é um valor com carga moral. Não se pode colocar o comportamento homossexual no mesmo balaio, junto com a discriminação por sexo ou por raça, ou por nacionalidade. As coisas são simplesmente diferentes.

Mas com certeza, a KKK faria boa companhia àqueles cristãos homofóbicos de brasília (os realmente homofóbicos). Assim como o sr. Tony Belloto.

Só a Heterossexualidade é Excêntrica

Os cristãos tipicamente crêem em seres sobrenaturais, mas não é por isso que o cristianismo rejeita o homossexualismo, como sugere o sr. Petry do alto de sua paupérrima teologia moral.

Para o cristianismo, basicamente, a relação homoerótica é falsa, inautêntica, porque não envolve uma entrega a um semelhante "de outro tipo". A relação "hetero" é uma ponte entre dois mundos estranhos, e por isso mesmo é corajosa e ex-cêntrica, para fora do ego em direção ao outro. A relação "homo" busca "o meu tipo" dentro de outro, ao invés de buscar o irredutivelmente diferente. Ainda que a pessoa seja outra, no nível sexual a alteridade é eliminada. Por isso mesmo, para o cristianismo, não pode existir uma família cujo centro seja uma relação homossexual. Essa relação é deficitária na posição cristã, não por causa de algum dogma irracional, mas porque é errado fechar um círculo relacional (em qualquer nível, inclusive no nível do sexo) no qual a diferença seja eliminada exatamente no ponto em que deveria ser corajosa e entusiasticamente vivenciada.

O movimento homossexual fala muito em "diferença" e em "igualdade de direitos", mas o que ele quer é o direito de evitar a verdadeira diferença sexual sem ser reprovado por isso. Isso é inautêntico. Ninguém deveria ter o direito de esconder este fato atrás de uma legislação. As pessoas que escolherem este caminho precisam ser respeitadas, mas o caminho em si não pode ter uma proteção legal especial. Isso, sim, é uma interferência ilegítima da lei no campo moral.

A aventura sexual não deveria ser um exercício narcisista. Como os defensores das bases evolucionárias e genéticas do homossexualismo vem demonstrando, o comportamento homossexual é compartilhado por todos os animais (inclusive o animal humano), mas isso não significa de modo algum que ele seja humanístico no sentido pleno. Isso só pode ser decidido no nível pessoal e interpessoal, no nível ético da vida humana. Por esse ângulo, no entanto, é evidente o ethos con-centrado, narcísico do comportamento homossexual.

O mero fato de muitos de seus defensores apelarem para o comportamento dos animais já depõe contra eles. Só a negação de qualquer ética sexual pode justificar isso.

Todo aquele desfile colorido e esquisito, de pessoas "diferentes", "alternativas", que não se encaixam nos padrões comuns, apenas disfarça a verdade: boa parte delas falhou em lidar com a diferença, e agora quer apresentar essa falha como uma genunína diferença. É trágico que elas estejam encerradas nessa condição; mas nem por isso ela se torna correta.

O homossexualismo é excêntrico, sim, em relação ao heterossexualismo; ou seja, como fenômeno social e até contracultural. E precisamos aprender a respeitar e conviver com a homossexualidade. Mas o fato é que a relação homossexual é excêntrica para compensar sua falta de excentricidade. Só a heterossexualidade é ontologicamente excêntrica, excêntrica onde deve ser.

O que Precisamos Aprender

Para finalizar, eu diria que os evangélicos precisarão aprender duas coisas.

Em primeiro lugar, aprender a manter uma posição com dignidade. Muitos cristãos se acovardam na hora de criticar abertamente o que precisa ser criticado, com medo de serem considerados intolerantes. Mesmo diante de críticas absurdas e cheias de elementos abusivos como as comentadas acima.

A despeito disso, precisamos fazê-lo. Não podemos temer tanto a opinião dos homens. Os cristãos primitivos eram acusados pela opinião pública como "devoradores de crianças" (os pagãos não conseguiam entender a coisa de "comer a carne e beber o sangue do filho de Deus" :-D). Pessoas como Tony Belloto continuarão dizendo esse tipo de bobagem preconceituosa contra os cristãos.

Em segundo lugar, precisamos encontrar um jeito de defender os direitos dos homossexuais, se não quisermos ter a nossa posição sobre o assunto definida e manipulada pela noção ideológica de "homofobia". É evidente que o termo foi cunhado a fim de empacotar toda e qualquer crítica aberta ao comportamento homossexual. O conceito não foi desenhado para libertar os homossexuais de alguma prisão, mas a fim de promover a repressão dos críticos da promiscuidade homossexual. Será (e vem sendo) uma desgraça, no entanto, se os evangélicos simplesmente vestirem a "carapuça", sem pensar com autocrítica no que pode ser feito para promover a humanidade do homossexual.

15 comentários:

Babi disse...

Gui,
muito obrigada por ter compartilhado desse fato com a gente. A leitura desse texto me motivou ainda mais a buscar conhecimento e coragem para enfrentar essa situação que temos vivido em relação ao homossexualismo. Que Deus continue te usando para abençoar nossa vidas e ampliar nossa visão de mundo e sociedade.

(-V-) disse...

Guilherme,

MUITO BOM TEXTO!!!

Glória ao nosso Pai.

Um texto realmente interessante e profundo.

Obrigado por ecrevê-lo.

No Amor e na Verdade que nos une,
Vinícius
(-V-)

Guilherme de Carvalho disse...

Caros,

obrigado pelo estímulo. Acho que precisamos refletir melhor sobre essas coisas. Inclusive ouvindo os homossexualistas.

Quanto a argumentações como as do Petry e do Belloto, é preciso desmascarar o preconceito anti-religioso no seu discurso anti-preconceito!

abr,

Guilherme

abr,

Guilherme

Ricardo Cluk disse...

Olá Guilherme, ótima postagem,

A estimativa é de que uma parcela significativa de 10% da população mundial seja homossexual, portanto, a briga entre seus adeptos e seus opositores ainda vai longe.

Na verdade o homossexualismo sempre existiu, a diferença é que hoje os homossexuais assumem sua condição e reivindicam seus direitos – é certo também que por vezes eles extrapolam esses direitos, mas quem não o faz? Que eu saiba por séculos a cristandade extrapolou seu direito de crer no que lhe convinha passando por cima do direito daqueles que não compartilhavam da mesma fé (as fogueiras são testemunhas disso).

Agora, essa lei realmente vai complicar a vida de muito religioso. Como um pastor condenará abertamente de seu púlpito o homossexualismo sendo que a legislação proíbe qualquer tipo de manifestação discriminatória a esse respeito? Como uma igreja impedirá o acesso de gays assumidos (pois camuflados certamente existem inúmeros) ao seu quadro de membros sem contrariar a lei?

Haja jeitinho brasileiro para acomodar a confusão que se prenuncia.

Guilherme de Carvalho disse...

Pois é Ricardo...

Eu acho que os homossexuais precisam ter o direito de viver suas vidas. A preocupação de muitos cristãos é que eles não querem apenas isso; o que os militantes querem é tratar os críticos de sua orientação sexual como bandidos e/ou doentes ("homofóbicos"). Pela lei não poderemos, a rigor, recomendar nenhum tipo de comportamento sexual. Se o Estado decide, agora, que ética os filhos vão aprender, pra quê servirão os pais?

Quanto ao que a "cristandade" fez, o que vc disse é uma meia verdade :-D Antes do cristianismo não havia liberdade de pensamento, e o secularismo moderno, já no tempo da revolução francesa, mas especialmente nos totalitarismos do século XX, perseguiu violentamente a religião - até mesmo minúsculas seitas sem nenhum poder político.

"Cristandade" é uma palavra muito genérica. Martin Luther King era membro da "cristandade" também...

O processo de constituição e reconhecimento dos direitos individuais foi muitíssimo complexo e, a despeito das "fogueiras", dependeu muito da religião pra surgir. Um exemplo: foi no contexto do calvinismo holandês que a liberdade religiosa apareceu pela primeira vez, com as autorizações para a construção de sinagogas e o fim dos pogrooms. Por sinal, a primeira sinagoga construída na américa latina foi levantada em Pernambuco, sob o governo de Maurício de Nassau.

A intolerância sempre produz fogueiras, seja ela religiosa, secularista ou, como estamos vendo agora, gay.

E, de fato, a lei complica tudo. Veja bem: ela é, supostamente, para acabar com a homofobia; mas vc percebe que ela PRODUZ homofobia? :-D

Um pastor que receberia em sua igreja um membro com orientação homossexual disposto a cessar essa prática (eu sei, pra muita gente isso ainda é pouco ;D) pensará duas vezes antes de fazê-lo, agora. A lei vai gerar apenas isso: medo, desconfiança, policiamento dissimulado. Gay vai virar sinônimo de alguém para manter distância.

O que me assusta mais é a hipocrisia de gente como o Petry, que deliberadamente dissimula diante dos leitores o verdadeiro teor do projeto de Lei. Se vc lê o projeto, percebe imediatamente que ele cria superdireitos quem nenhuma minoria no Brasil tem - nem os negros. E que cria uma enorme tensão social onde não existe nenhuma - entre evangélicos e homossexuais. Não são os evangélicos que batem, perseguem e assassinam homossexuais. Nem são os evangélicos que os demitem (a maioria não passa de empregados :-D).

Ricardo Cluk disse...

Dê uma lida em uma de minhas postagens intitulada "Um país de discriminados" (Tema: Comportamento) e saiba o que eu penso a respeito desse papo furado sobre discriminação.

Guilherme de Carvalho disse...

Li a postagem! Bem, acho que a discriminação existe mesmo...

Mas vc está certo. É bobagem tentar resolver isso na base da legislação. É preciso ter leis específicas para proteger as "minorias", mas não adianta criar amor e tolerância por meio da coação legal. Isso nunca deu certo.

A coisa está mais para uma guerra de todos contra todos.

Guilherme

Lucas Castro & Isabella Passos disse...

as coisas estão melhores por aqui heim?
hehehehehe

Deus abençoe vcs e não vou poder ir na Esperança hj...perdoem-me.

Motivo: divergência interna...hehehehehehehe

http://mundoreformado.wordpress.com

Felipe Inácio disse...

Graça e Paz meu amado irmão em Cristo!

Belíssima apologia!Bem característico de um schaferiano!rsrs.
É interessante a crítica desses dois colunistas,eles criticam os evangélicos por agir com uma pressuposição,como se "o certo seria agir com neutralidade",mas sabemos que todos temos,como diria Dooyeweerd,um motivo básico religioso,e a pressuposição desses dois,e de muitos outros,é proveniente de uma visão materialista totalmente inconsistente com a realidade.

Agradecemos a Deus por existir,e creio que Deus levantará mais ainda,homens comprometidos com a verdade e sem nenhum temor de ser taxados de fanáticos ou adjetivos do tipo.


P.S.:Gostaria que tirasse uma dúvida minha,estava lendo um artigo do Fabiano de Almeida e este dizia que Kuyper tinha uma certa distinção de concepção em relação a de Dooyeweerd.Kuyper acreditava que a filosofia estava inserida dentro da cosmovisão,mas Dooyeweerd acreditava que tanto a filosofia quanto a cosmovisão são determinadas pelos motivos básicos religiosos,onde estão inseridas.Gostaria que,se possível,me explicasse essa distinção entra as posições desses grande homens de Deus!


Soli deo gloria!!!

Volney Faustini disse...

Guilherme,

Excelente postagem, e única pelo que tenho lido por aí. Como todos sabem, há - por parte da crentaiada - exageros, demagogias, oportunismos e falta de consistência. E os 'colunistas' de plantão aproveitam essas esquisitices que produzimos.

De um lado nos caracterizam como estranhos (para falar no mínimo) e de outro enaltecem uma agenda puramente secularista e relativista.

Vc tocou bem na abordagem antropológica. Precisamos mais de suas ideias e reflexões. Por favor continue com perseverança e coragem.

Grande abraço meu irmão!

Guilherme de Carvalho disse...

Olá Felipe!

Obrigado pelo elogio. Eu também espero que Deus levante mais gente pro trabalho!

Rapaz, a sua pergunta é muito importante. Eu só não vou dar conta de responder isso agora :-D Estamos indo pra macacos, e só voltamos no começo de Agosto.

Mas deixa ela aí, suspensa!

até breve,

Guilherme

Guilherme de Carvalho disse...

Oi Volney!

Como anda a vida corrida? - "Punk"! ;-D

De fato, o povo anda dizendo muita bobagem. Mas depois de ler um pouco o que os homossexualistas andam dizendo, ficou até difícil saber quem fala mais abobrinha!

Acho que a coisa é pelo lado da antropologia mesmo. Não tem outro jeito. Antropologia, digo, para além da "antropologia cultural", em direção à concepção de ser humano. E isso é bem tema de L'Abri.

Respondendo ao outro comentário - acho que temos muito a conversar a respeito de igreja. E, a propósito, em torno do manifesto evangélico que vcs estão traduzindo. Eu queria participar, mas estou tão apertado agora...

Mas quando estiver pronto, vou postar e comentar aqui!

abr,

Guilherme

Teo disse...

Excelente, Guilherme. Argumentou e fundamentou muito bem uma posição lógica e de bom senso.

Prof. Luis Cavalcante disse...

Guilherme, parabéns pelo artigo. Que Deus nos capacita com a Sua Graça para enfrentar este desafio e outros.

Luis Cavalcante

Isabella Passos e Lucas Castro disse...

Texto brilhante e espero sinceramente que ele tenha entrado na redação da Veja. Fiquei boba, pois a coluna do Petry foi a mais comentada da semana e no entando a Veja publicou somente um notinha de um cara que questionou um argumento que não tinha nada haver com a discussão. Será por que neh? Tomara que seja pq pessoas com "um outro lado" da discussão tenham se manifestado mais que outros.

Abraços.

Isabella